Saber operário é fundamental

 Michel Llory fala sobre metodologia para a análise de riscos e de acidentes

Por ACS* em 02/07/2012

Conversar com os trabalhadores é fundamental para analisar os riscos e prevenir acidentes. Essa foi uma das lições deixadas pelo engenheiro e ergonomista francês Michel Llory, durante o 30° Encontro Presencial do Fórum de Acidentes de Trabalho, realizado no CTN da Fundacentro, em 27 de junho.

Em uma de suas pesquisas, Llory realizou testes com operadores da Electricité de France (EDF) em simuladores de ação em escala plena (equipamento para realizar testes com trabalhadores). Para tanto, escolheu uma situação de um acidente real, e passou os dados aos trabalhadores, a fim de avaliar quais procedimentos seriam realizados. Quase todos erraram e repetiram a ação do acidente.

Llory é especialista em segurança industrial, pesquisador aposentado e ex-diretor de pesquisa da empresa Electricité de France (EDF).

“Ao longo dos testes, ficou cada vez mais evidente como era fundamental conversar com os operadores, por meio de entrevistas”, disse Michel Llory. “Nós compreendemos que os acidentes se iniciam muito antes da ocorrência real, e tem a ver com decisões muitas vezes tomadas longe do local do acidente. Na análise organizacional, é importante sair da sala de comando e procurar os inícios das respostas do acidente.”
Llory também pôde perceber que o trabalho desenvolvido ia muito além do prescrito e observou os saberes de ofício e os de prudência dos trabalhadores. Os saberes de ofício abrangem o saber fazer, a competência para produzir o trabalho. Já os saberes de prudência são aqueles voltados para a cautela e a prevenção de acidentes e perdas no sistema.  “É preciso estimular a comunicação horizontal e o saber operário”, ressalta o engenheiro francês.
A abordagem investigativa de Llory leva em consideração o que as pessoas falam sobre o trabalho, sem se esquecer de olhar para todos os documentos e registros escritos. Mistura uma investigação causal e objetiva com uma abordagem mais subjetiva, ligada às impressões dos operadores sobre o que se passou. Também analisa os acidentes e incidentes prévios.
O pesquisador costuma utilizar entrevistas coletivas, por considerá-las importantes para conseguir uma representação das condições de segurança de uma empresa. O grupo formado deve ser homogêneo, com operadores do mesmo nível hierárquico. “Precisamos partir do pressuposto que eles conhecem a organização muito melhor do que nós. Eles fazem diagnósticos e análises”, explica Llory.

* Assessoria de Comunicação Social da Fundacentro
Disponivel em: <http://www.fundacentro.gov.br/dominios/CTN/indexNoticias.asp?D=CTN&PAGINA=NOTICIAS&?D=CTN&C=1638&menuAberto=62>.
Acessado em: 03/07/2012