Análise Ergonômica do Trabalho na Construção Civil

A construção civil é um dos principais setores da economia brasileira na geração de empregos e produção de bens imóveis. Porém, também é um dos segmentos com maior número de acidentes de trabalho e adoecimento.

As principais causas que geram invalidez ou óbito estão relacionados a queda de altura, soterramento, choque elétrico, falta de sinalização e acidentes com máquinas e equipamentos.

 

A solução para redução desses problemas deve ser abordada de duas formas, que a Ergonomia pode promover:

  • Ação sobre os sistemas, processos ou produtos, buscando adequá-los às características dos trabalhadores, eliminando assim os fatores de risco;
  • Ação sobre os trabalhadores através da educação, tornando-os capacitados para a realização adequada de suas tarefas e preparando-os para as transformações do trabalho decorrentes da evolução tecnológica.

 

A Análise Ergonômica do Trabalho na construção civil verifica as tarefas e atividades laborais do trabalhador para reduzir os problemas de saúde e segurança que o setor gera.

 

Partimos do princípio da demanda, que envolve entender o processo de execução das tarefas submetidas a organização do trabalho e que determinam as etapas da construção, como, demolição, reparo, pintura, limpeza, manutenção de edifícios, obras de infra-estrutura, e obras de urbanização e paisagismo.

 

As tarefas laborais estão diretamente relacionadas ao cargo ou função exercida pelo trabalhador, um pedreiro, por exemplo, organiza o local para seu trabalho, mistura massa, assenta tijolo, entre outras ações.

 

Na execução das tarefas o trabalhador executa atividades específicas e que diferem entre si, é nessas atividades que buscamos ver se o trabalhador está se submetendo aos principais riscos ergonômicos, como:

 

  • Esforço físico intenso;
  • Levantamento e transporte manual de carga;
  • Excesso de horas de trabalho;
  • Outros fatores que provocam stress físico e/ou psíquico.

 

As lesões ocupacionais causadas pela exposição a estes riscos afetam a saúde física e mental dos trabalhadores, interferindo diretamente na sua produtividade e qualidade de vida.

 

Com a Análise Ergonômica do Trabalho (AET) é possível identificar as falhas do sistema produtivo e propor recomendações visando às melhorias necessárias. Portanto a adequação ergonômica do local de trabalho, de acordo com as normas regulamentadoras e legislação vigente, é um modo de garantir a segurança e o bem-estar do trabalhador, aumentando a sua satisfação e produtividade.

 

Para prevenir os riscos ergonômicos a que os trabalhadores da construção civil estão expostos, promovemos treinamentos para levantar a consciência e busca por soluções viáveis para o desenvolvimento do trabalho.

 

Sabemos que um dos problemas que ocorre entre estes trabalhadores é o fato de não darem importância aos riscos presentes no local de trabalho. Portanto, para a completa prevenção das lesões ocupacionais entre os trabalhadores da construção civil é importante e necessário o treinamento e a educação apropriada dos empregados quanto aos riscos existentes em cada situação de trabalho e sobre as formas corretas de prevenir os acidentes e doenças ocupacionais.

 

A intervenção ergonômica, como já foi dito, deve ainda compreender mudanças físicas e organizacionais no local de trabalho. Pois quando o trabalho é realizado de maneira inadequada afeta diretamente a saúde do trabalhador, através de diversas doenças músculo-esqueléticas (músculos e articulações). Mas, quando os fatores que prejudicam uma boa ergonomia são eliminados o risco de ocorrência de lesões é minimizado.

 

Saiba mais sobre nossos cursos e treinamentos, entre em contato conosco na ERGOSALUTE.

ACOMPANHE NOSSAS NOVIDADES

ÚLTIMOS ARTIGOS

Análise Ergonômica do Trabalho na...
ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO
Gerenciando a ergonomia no escritório
Checkout em Supermercados – Parte 2